A França de Kleiton Ramil

Todo mês uma personalidade responde às nossas perguntas e nos conta o que a França representa para ela. Este mês, quem nos dá o seu testemunho é o músico e compositor Kleiton Ramil, que com o irmão forma a dupla Keiton & Kledir (www.kleitonkledir.com.br ), famosa por sucessos como “Deu Pra Ti” http://globotv.globo.com/rede-globo/encontro-com-fatima-bernardes/t/musicais/v/kleiton-e-kledir-cantam-deu-para-ti/4387184/, “Nem Pensar” e “Paixão”.
Foram cinco discos lançados (mais um em espanhol), o que lhes rendeu disco de ouro e shows mundo afora. Mas, apesar de tanto sucesso, em 1987 a dupla “deu um tempo” de sete anos… E foi nesse período que Kleiton se aventurou pela França!

JPEG

Quais são os seus laços com a França?

Morei em Paris durante dois anos e foi como mergulhar na "fonte da juventude". O turismo não é meu forte e sim a relação com cultura e educação. Quando fiz meu mestrado de composição musical na Universidade "Paris VIII à Saint Denis", pude vivenciar a pulsação incrível dessa cidade que respira arte 24 horas por dia. Fazer shows na França e abrir horizontes foi como realizar um sonho.
Sou grato a esse país por ter redescoberto em mim qualidades que estavam adormecidas com o tempo.

Um lugar imperdível na França?

O Marais é um bairro maravilhoso. E claro, é imperdível circular "aux bords de la Senne", certamente um dos mais lindos e românticos lugares desse planeta.
Também tenho ótimas recordações do Sixième, bairro onde morei bastante tempo.

Qual a sua palavra predileta em francês?

A expressão "On y va!". Sinto-me feliz quando a uso, ainda hoje, aqui no Brasil, no meu dia a dia. Causa um efeito de enorme positividade e boa disposição, que contagia a todos ao meu redor.

Qual a personalidade francesa que você prefere?

Edith Piaf, com certeza. Uma das músicas de meu novo disco (COM TODAS AS LETRAS - Kleiton e Kledir - Gravadora Biscoito Fino) tem uma música composta em parceria com Alcy Cheuiche que invoca uma de suas frases icônicas: "Rien de rien, je ne regrette rien".

Qual o pior defeito e a melhor qualidade dos Franceses?

Apesar de eu ser do sul, acostumado com disciplina e de ter nascido entre pessoas consideradas as mais européias no Brasil, a rigidez em relação a horários foi difícil de superar. Perdi alguns contratos na França por atrasos de dez minutos. Entendo que isso está arraigado na mentalidade europeia, mas um pouco de sol e relaxamento faria bem à saúde dos franceses.
Em relação a qualidades, são muitas. Transparência nas relações, confiança, amizade duradoura, competência, amor e respeito a arte...

Se você tivesse que resumir a França em um livro, uma musica ou um filme, qual seria?

François Truffaut, e todos seus filmes. Meu diretor preferido de cinema.

JPEG

O gosto da França (especialidades, pratos, sabores…) ?

A cozinha francesa é rica e variada e sempre fiquei fascinado com a variedade de queijos (centenas de tipos) e frutas servidas após as refeições. Pelo que aprendi, o pós-guerra fez com que os franceses comessem comedidamente e valorizassem muito a conversa na hora das refeições. Isso é saudável e dá um charme todo especial à mesa.
Posso citar o Boeuf Bourguignon, conhecido entre nós e sempre muito saboroso! E sou fã (como metade do planeta) também dos queijos Brie e Camembert.

Como você descreveria a França em três palavras?

La Senne, la musique e l’amitié.

No Rio, qual o seu cantinho francês preferido?

Durante muito tempo frequentei um restaurante no Joá onde era servido um Fondue muito bom. Mas como sou solar, prefiro lugares abertos e recomendo visitas a céu aberto. Na cidade onde nasci, Pelotas no Rio Grande do sul, há influências da cultura francesa a olhos vistos. Na praça central, por exemplo, é imperdível uma visita ao deslumbrante Chafariz, que veio diretamente da França para essa cidade, à noite com iluminação artística.
No Rio de Janeiro basta levantar os olhos e lá está o Cristo Redentor, considerado uma das sete novas maravilhas do mundo, construído em colaboração com o escultor francês Paul Landowsky e o engenheiro francês Albert Caquot.

Para você, o que simboliza o laço entre a França e o Brasil?

A França possui a experiência e a tradição; o Brasil, a juventude e a disposição para crescer. Juntando os dois países certamente poderemos vislumbrar um futuro promissor para a humanidade.

JPEG

No mês passado, o campeão do futebol brasileiro, o mítico jogador do Olympique de Marseille, Paulo César Caju respondeu às nossas perguntas. Descubra A França de Paulo Cesar Caju clicando aqui http://riodejaneiro.ambafrance-br.org/A-Franca-de-Paulo-Cesar-Caju

publié le 21/08/2015

haut de la page