A conceituada "Comédie Française" chega ao Rio de Janeiro em outubro

JPEG
A Comédie Française, uma das referências máximas da tradição teatral desembarca no Rio de Janeiro durante turnê internacional,nos dias 19, 20 e 21 de outubro. O espetáculo é uma realização da Embaixada da França e da Cidade das Artes.

JPEG

A Comédie Française, uma instituição

Fundada pelo Rei Sol em 1680, a Comédie Française comemora 333 anos de atividade e é uma dentre as muitas instituições que ao longo da História ajudaram a posicionar a França como um dos países mais admirados do mundo no campo cultural. Uma das referências máximas da tradição teatral, a companhia está em turnê pela América do Sul e desembarca na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, para três apresentações de "O Jogo do Amor e do Acaso" comédia de Marivaux.

JPEG
A Comédie Française foi fundada pelo Rei Sol, há exatamente 333 anos.

A diretora Muriel Mayette-Holtz

Atriz da Comédie-Française, Muriel Mayette-Holtz passou a conduzir a companhia em 2006. “Dirijo a Comédie como um encenador a um espetáculo”, compara Mayette-Holtz, que coordena 397 profissionais – entre eles, 57 atores.
Atriz da Comédie Française desde 1985, Muriel Mayette-Holtz passou a conduzir a companhia em 2006, uma trupe de 397 profissionais – entre eles 57 atores. Como atriz Muriel Mayette-Holtz já interpretou diversos papéis em peças de grandes autores, como Molière, Strindberg, Anton Tchekhov, Luigi Pirandello, Büchner, Jean Genet e Harold Pinter, sob a direção de renomados diretores franceses, como Antoine Vitez e Claude Régy. No cinema, participou de filmes escorados em textos de autores teatrais, como A Ilusão Cômica, de Mathieu Almaric (a partir da peça de Corneille), O Avarento, de Yves-André Hubert, a partir de Molière, e Madame Sans-Gêne, de Abder Isker, baseado em Victorien Sardou.
No que se refere à montagem de O Jogo do Amor e do Acaso, Mayette-Holtz garante que abordagem é extremamente atual. “Trata-se de uma leitura contemporânea de um grande clássico universal”, resume.

O espetáculo será apresentado em Montevideo, Buenos Aires e São Paulo antes de chegar ao Rio de Janeiro de 19 a 21 de outubro.

JPEG
O cenógrafo e diretor Galin Stoev

Galin Stoev, o cenógrafo


Galin Stoev (cenógrafo e diretor) : cenógrafo de origem búlgara, Galin Stoev montou a Comédie Française "La Festa de Spiro Scimone" no Teatro Vieux-Colombier em 2007.

Ao longo de sua trajetória, Galin Stoev vem encenando textos de autores do repertório clássico, como William Shakespeare, Pierre Corneille, Georg Büchner, August Strindberg e Bertolt Brecht, mas sem perder de vista a dramaturgia contemporânea – em especial, no que se refere ao seu contato com Ivan Viripaev, que já teve um de seus textos, ’Oxigênio’, encenado no Brasil pela Companhia Brasileira de Teatro, conduzida por Marcio Abreu. Entretanto, Stoev, que em 2005 fundou a companhia Fingerprint, não associa o termo clássico a antigo, mas sim ao que atravessa o tempo e permanece pertinente nos dias de hoje. “O que me interessa num texto é o que ele me faz sentir em relação ao mundo, mesmo que a partir de um olhar que não me seja familiar. Marivaux é um clássico na medida em que ainda consegue se comunicar conosco: continua a nos ensinar e a nos tocar”, afirma.

JPEG

Sinopse:

Prometida a Dorante, Silvia convence seu pai a deixá-la conhecer o pretendente disfarçada de sua camareira, Lisette, que, então, fingiria ser sua patroa. No entanto, quando Dorante comparece ao encontro vestindo os trajes do seu criado Arlequim – que , por sua vez, apresenta-se como sendo o seu senhor –, os casais assim formados caem na sua própria armadilha, sob o olhar divertido e perspicaz do pai benevolente. Diante desse jogo do acaso, no qual o imprevisto sacode todas as convenções, os protagonistas respondem distorcendo cada vez mais a realidade e levam a brincadeira às últimas consequências.

Críticas:

É engraçado, sutil, franco e animado. Um dos melhores espetáculos deste início de temporada.” (Télérama-Sortir)

“Todos os atores reunidos por Galin Stoev são fascinantes em graça e sutileza, e ele os dirige com um profundo conhecimento das angústias do amor. Marivaux se torna aqui um clarão de modernidade luminosa.” (Figaroscope)

“Um espetáculo vivo, alegre, cheio de humanidade e luz.” (La Croix)

Nota Bene :

Durante o Ano da França no Brasil, em 2009, em um colóquio realizado na Unicamp a pesquisadora Heloisa Pontes, apresentou o seu trabalho intitulado "Louis Jouvet e Henriette Morineau e seu impacto na cena teatral brasileira.
Um olhar histórico sobre a influência da instituição da Comédie Française no Brasil através da obra dos dois ilustres integrantes da companhia.

Ver :

PDF - 529.6 KB

Serviço :

"O jogo do Amor e do Acaso"]
de Marivaux
_

Comédie Française

Cidade das Artes - Barra da Tijuca

Sábado, dia 19 de outubro, às 20hs
Domingo, dia 20 de outubro, às 18hs
Segunda-feira, dia 21 de outubro, às 21hs

Para reserva de ingressos através do site Cidade das Artes

Clipping :

PDF - 114.3 KB


Release Completo :

Word - 44.5 KB


Biografia de Muriel Mayette :

PDF - 13.2 KB

JPEG

publié le 18/10/2013

haut de la page