A França de Lenine

Todo mês, uma personalidade carioca responde às nossas perguntas e nos conta o que a França representa para ela. Este mês, quem nos dá o seu testemunho é Lenine, o famoso “cantautor” brasileiro, que se sente em casa quando está na França.

JPEG

Quais são os seus laços com a França?

Tenho muitos laços com a França, que foram se estabelecendo durante anos. Começa quando sai em turnê com Olho de Peixe, ao lado de Denilson e Marco Suzano. O primeiro país a nos receber foi a França, foi em Paris, no Parc de la Villette. Fui fazendo amigos, retornando a cada ano com um novo projeto a ponto de ter essa sensação da França ser o local onde me sinto mais em casa, depois do Brasil.

Um lugar imperdível na França?

Impossível dizer isso, tinha que ser por região. E a França é gigantesca, eu não vou cometer essa temeridade.

Qual a sua palavra predileta em francês?

Chanson.

Qual a personalidade francesa que você prefere?

Luc Besson, para citar um.

Qual o pior defeito e a melhor qualidade dos Franceses?

A maior qualidade é serem do primeiro país a ter uma consciência planetária, de importância de raças, de diferenças. E contra, não sei se tenho algo contra a França especificamente, mas tenho contra a impunidade, a corrupção, e isso não é de um país.

Se você tivesse que resumir a França em um livro, uma música ou um filme, qual seria?

Les Enfants du Paradis, lançado no Brasil com o título O Boulevard do Crime.

O gosto da França (especialidades, pratos, sabores…) ?

Como eu tive a oportunidade de conhecer profundamente - fiz shows em mais de 30 cidades dentro do território francês, isso sem levar em conta os ultramarinos - é muito diverso para falarmos de culinária, arquitetura ou qualquer outra área da expressão. Se você tiver a oportunidade de conhecer a França, profunda, você vai ver que em cada lugar tem uma comida bacana, cada lugar tem cidades com importâncias gigantescas... Como cantautor, eu tenho um débito com os occitanes e troubadours, por tudo que surgiu também na França. Muito difícil escolher uma só coisa!

No Rio, qual o seu cantinho francês preferido?

A Julius Brasserie, na Urca.

Para você, o que simboliza o laço entre a França e o Brasil?

Uma síntese do Brasil e da França é meu querido Claude Troisgros. (risos)

JPEG

publié le 01/07/2016

haut de la page