Em março na MAISON

“As Quintas da Maison”, todas as quintas-feiras à partir das 18h : evento musical/debate/gastronomia/poesia-literatura com parceiros culturais cariocas

3/3/2016 - Lançamento do livro "Jean Sablon"

Philippe Jadin e Charles Langhendries: “A aventura brasileira de Jean Sablon”

JPEG

Apresentação de um livro de Philippe Jadin e Charles Langhendries sobre a vida de Jean Sablon, acompanhada por algumas musicas do repertorio de Jean Sablon bem como uma exposição de fotos. O cantor francês Jean Sablon, durante a sua longa carreira internacional viveu e cantou durante anos no Brasil. Ele se apresentou em todos os grandes palcos da época até a sua despedida em 1984, no Copacabana Palace. Levou os ritmos brasileiros para a França, onde interpretou incontáveis vezes musica Garota de Ipanema. Foi condecorado pelo Brasil, pelos serviços prestados ao país.

10/3/2016 – Seminário Rio Academy

A MAISON recebe a diretora da ONG "Mega-Cities Project" Janice Perlman falará de sua experiência como profissional nas favelas do Rio de Janeiro.
PNG

A palestra será feita em inglês, mas com tradução simultânea para o português (mais informações em anexo).

Esse evento faz parte da programação do seminário Rio Academy (de 7 a 11 de março) que debate sobre urbanismo nas cidades modernas (inscrição necessaria no site Rio Academy).

JPEG

17/3/2016 - Show do Manu Dibango + Conferência com Philippe Urfalino

Show de jazz Manu Dibango e artistas convidos + Conferencia Philippe Urfalino : “A invenção da politica cultural”

JPEG
Foto: Fernando Lemos/Agencia O GLOBO

Manu Dibango: Nascido em Douala, Camarões, em 1933, Manu Dibango dedicou-se à musica durante mais de sessenta anos e foi um dos primeiros artistas a misturar jazz com os sons africanos. Em 1973, tornou-se o primeiro artista africano a receber um disco de ouro nos Estados Unidos, com a música “Soul Makossa”. Manu Dibango continua até hoje a explorar a riqueza das músicas africanas e de suas combinações com o jazz, interessando-se também pela musica atual. Durante a sua carreira, ele fez varias turnês, inclusive no Brasil, onde tocou com vários músicos brasileiros, como Gilberto Gil e vários outros grandes nomes da musica internacional, como Nino Ferrer, Serge Gainsbourg, Youssou N’dour, King Sunny Ade, Angélique Kidjo, Peter Gabriel, Sinéad O’Connor... Manu Dibango foi nomeado Grande Testemunha da francofonia para os Jogos Olímpicos de 2016.

Philippe Urfalino é Diretor de pesquisas do CNRS (Centro Nacional de Pesquisas Cientificas) e diretor de estudos do EHESS (Escola Superior de Altos Estudos de Ciências Sociais). Sua obra “A invenção da politica cultural”, traduzida para o português, está sendo lançada pela editora SESC. Conferencia de lançamento em parceria com o ciclo o Ato Criador, Ana Lucia Pardo 16/03.

24/3 Foto-Conferências

O Estúdio Madalena leva à Maison uma série de atividades mensais do Núcleo de Narrativas Visuais do Laura Alvim.

JPEG

Na primeira palestra do ciclo, Gilvan Barreto vai apresentar a sua trajetória autoral, que resultou em seu mais recente trabalho Suturas.

Suturas contou com sua última exposição homônima que passou pela Galeria Laura Alvim, no Rio de Janeiro, e pela Galeria Amparo 60, em Recife.

O livro Suturas traz imagens concebidas nos últimos quatro anos, entre fotografias, fotocolagens e desenhos que sugerem rupturas e tentativas de reconstrução. Corpos, imagens e memórias remontados, reunidos por costuras manuais.

As imagens compõem uma constelação que tem como centro a fissura, o prenúncio da dor e a aceitação da falibilidade humana. Estão presentes elementos como a afirmação da afetividade, a poética da vulnerabilidade e o indivíduo como soma de seus antecedentes.

A publicação é um desdobramento do livro Sobremarinhos, lançado em 2015. Ambos versam sobre os ciclos da vida e usam como maior inspiração a obra do escritor Franco-Argelino Albertu Camus.

Entrada gratuita sem matricular

JPEG

>> Gilvan Barreto é pernambucano e reside no Rio de Janeiro há dez anos. Seu trabalho foca em questões políticas e sociais. Sua fotografia é influenciada pelo cinema e literatura. Em 2014, venceu o Prêmio Brasil de Fotografia, Prêmio Marc Ferraz Prêmio Conrado Wessel de Arte e foi selecionado no Rumos – do Itaú Cultural. Publicou Sobremarinhos (independente, 2015), O Livro do Sol (Tempo D’Imagem 2013) e Moscouzinho (Tempo D’Imagem, 2012). Além de ser organizador e coautor do livro-cd Orquestra Pernambucana de Fotografia.

31/3: Musica no Museu

Concertos abertos ao publico nas ultimas quintas do mês com Musica no Museu. Uma programação eclética com foco em jazz.

JPEG

As 18:00h, o Música no Museu com seu lindo projeto "A Mulher na Música" convida Cláudia Ramos para cantar a essência feminina. No repertório, além de músicas do seu segundo disco autoral "Sou o que Sou", músicas de compositoras brasileiras (Dolores Duran, Joyce Moreno e Fátima Guedes) e músicas de Tom Jobim com nomes de mulheres.

Concerto gratuito sem inscrição previa, sujeito a lotação.

Cláudia Ramos voz
Victor Ribeiro direção musical, arranjos e violão
Rafael Vernet piano

JPEG

publié le 22/03/2016

haut de la page