Meus estudos na França - abril 2016

Uma vez por mês, apresentamos um breve encontro com brasileiros que estudaram na França, vindos do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e do Espirito Santo. Algumas perguntas, sempre as mesmas, nos permitem saber mais da experiência de quem saiu daqui para ir estudar nas universidades francesas.

Ligia Yassuda: "acabei amadurecendo muito e enxergando a vida por um ângulo diferente."

JPEG

Ligia tem 23 anos. Estudou em Grenoble, cursando um ano de ’brafitec’ na Université de Grenoble

Cidade de origem: Niterói (RJ)

Cidade de estudos na França: Grenoble

Por que você escolheu estudar na França?
No meu curso na UFRJ, existe uma parceria direta com a universidade em Grenoble, então eu achei uma boa oportunidade, seria um intercâmbio que acrescentaria muito aos meus estudos.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
A minha primeira impressão foi que a cidade era muito bem cuidada e organizada e as pessoas muito educadas.

Qual a sua maior lembrança da França?
A maior lembrança é difícil de dizer, mas acho que o estilo de vida que eles levam acabamos adotando. Ir ao mercado uma vez por semana, se locomover de bicicleta e tram, beber vinho, ir ao parque em domingos de sol.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Hoje eu mantenho contato com um colega que trabalhei em um laboratório da universidade.

Qual a sua atividade profissional?
Sou estudante ainda, mas faço estágio.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Durante o ano em que morei lá, cresci muito pessoalmente. É um desafio grande se virar sozinha em outro país, acabamos amadurecendo muito e enxergando a nossa vida de um ângulo diferente. Sem dúvidas ninguém que eu conheço que passou por essa experiência voltou a mesmo pessoa que saiu daqui.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Crescimento, liberdade e felicidade.

Três palavras para resumir o país?
Cultura, Identidade e qualidade de vida.

Bruno Ribeiro: "mudou a minha vida pois pude conhecer pessoas e lugares incríveis!"

JPEG

Bruno é carioca e tem 23 anos. Estudou de 2013 a 2014 em Grenoble INP - PHELMA

Cidade de origem: Rio de Janeiro (RJ)

Cidade de estudos na França: Grenoble

Por que você escolheu estudar na França?
Escolhi a França pela qualidade de vida no país, principalmente na cidade de Grenoble onde é possível fazer tudo utilizando sua bicicleta, muita áreas para praticar esporte, bastante opção de lazer e cultura na cidade e muitos estudantes vivem na cidade não só franceses mas do mundo, e adoro este tipo de ambiente. Além disso, a excelência do ensino na área de engenharia me atraiu bastante.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
Nunca havia viajado para exterior antes desse intercâmbio. Portanto, foi um grande choque quando cheguei na França. Lembro que a arquitetura, o estilo de vida e principalmente a eficiência do transporte público francês me impressionou bastante.

Qual a sua maior lembrança da França?
Minha maior lembrança da França foi na minha primeira visita a Paris, sem muitas expectativas, lembro de estar indo visita a Tour Eiffel e desci do metrô na estação de Trocadero e quando cruzei o Palais de Chaillot e me deparei com a Torre foi um sensação indescritível que jamais irei esquecer.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Tenho uma ligação ainda muito forte com a França, assisto filmes franceses e gosto da música francesa. Tenho alguns colegas até hoje que são francofonos que sempre conversamos e relembramos nosso intercambio. E essa relação é tão forte que este ano estou voltando para um estágio na França na cidade de Metz.

Qual a sua atividade profissional?
Sou estudante do ultimo ano de Engenharia de Materiais na UFRJ.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Mudou a minha vida pois pude conhecer pessoas e lugares incríveis. Pude conhecer um estilo de vida de uma cidade relativamente pequena francesa e ver que é possível ter uma excelente vida com qualidade fora desse caos do Rio de Janeiro. Além de abrir minha cabeça para saber que o mundo é muito maior do que a cidade em que vivemos.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Descoberta, Aprendizado, Amizade.

Três palavras para resumir o país?
Liberdade, Cultura, Beleza.

Isabela Madanelo: "tenho a impressão de que fui menina e voltei mulher!"

JPEG

Carioca, 24 anos, Isabela estudou em Paris. Cursou na Sorbonne Nouvelle - Paris III, por 2 anos, terminando a graduação.

Cidade de origem: Rio de Janeiro (RJ)

Cidade de estudos na França: Paris

Por que você escolheu estudar na França?
Eu estudava cinema no Rio e tinha a cidadania portuguesa, um amigo me disse que sendo européia eu conseguiria entrar em instituições francesas como cidadã, o que torna o processo mais rápido. Aí não pensei duas vezes e resolvi tentar a França, afinal eles inventaram o cinema ! Cursei ’Cinéma et Audiovisuel’ na Sorbonne.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
A primeira vez na vida que fui à França foi a passeio, cheguei lá em pleno inverno e a impressão não foi nada boa, o Champ de Mars cheio de lama, dos 8 dias que fiquei não vi sol nenhum dia, a impressão foi de que a cidade era meio triste. Anos depois voltei na primavera e vi outra Paris, toda colorida, cheia de gente e de música, e me apaixonei.

Qual a sua maior lembrança da França?
Difícil essa pergunta, mas acho que a maior de todas minhas lembranças é a de simplesmente aproveitar um dia de sol com amigos, pão, vinho e queijo no Jardin de Luxembourg, por mais cliché que possa parecer.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Hoje em dia meu vínculo é só emocional, alguns dos meus grandes amigos são de lá, e tenho a minha ’família francesa’, meus vizinhos que conheci assim que cheguei e que me adotaram por esses três anos. Os amo de paixão! Sempre tento voltar e já já vou pra Paris comemorar meu aniversário.

Qual a sua atividade profissional?
Sou Assistente de produção na HDaniel Filmes.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Nossa, em absolutamente tudo. Tenho a impressão de que fui menina e voltei mulher. Viver em Paris por mais mágico que possa parecer de fora, requer muito jogo de cintura e estrutura pra aguentar o dia-a-dia. Ainda mais pra nós brasileiros, demorei mais de um ano pra me adaptar e sofri um tanto, mas cresci demais. A cultura é muito diferente mesmo, e demorou pra eu entender que não é que todo mundo seja antipático, os parisienses são apenas precavidos haha. Depois da dificuldade inicial de adaptação, foi tudo maravilhoso, aquela cidade é arte pura! Em todo lugar, a qualquer hora, pra todos os gostos e idades.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Crescimento, arte, paixão.

Três palavras para resumir o país?
Arte, culinária e tradição.

Roberta Amazonas: "eu definitivamente amadureci!"

JPEG

Roberta tem 24 anos e estudou um semestre de graduação em Informação e Comunicação da Université de Lorraine, como parte do Programa de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde se formou em Comunicação Social – Jornalismo.

Cidade de origem: Niterói (RJ)

Cidade de estudos na França: Metz

Por que você escolheu estudar na França?
Eu sempre fui encantada por viajar e era uma vontade antiga minha conhecer a Europa, tanto em função da história do continente, como todas as fotos e os filmes ambientados por lá, especialmente na França. Além disso, desde antes de entrar da faculdade eu já falava em fazer um intercâmbio acadêmico. Então eu uni o útil ao agradável. Eu já estava bem avançada no curso de francês e a grade do curso era exatamente o que eu buscava. Não pensei duas vezes e me inscrevi no programa de intercâmbio da faculdade, já indicando que queria ir para a França.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
Fiquei literalmente encantada. Você costuma ouvir muita gente falando que os franceses são antipáticos, mas é exatamente o contrário! Fui muito bem recebida e não tive nenhum problema nos seis meses que passei na França. Fora isso, é uma cultura bem diferente da nossa aqui no Brasil. Toda aquela tranquilidade e simplicidade, junto com uma beleza arquitetônica incrível e toda a “joie de vivre”, me encantaram de verdade.

Qual a sua maior lembrança da França?
Tenho tantas lembranças! Viajei bastante pela França, sozinha e com amigos que fiz por lá. Mas acho que nada se compara a subir na Torre Eiffel e ver Paris lá de cima, ou simplesmente andar pela Promenade des Anglais, em Nice. Eu poderia ficar horas e horas falando de todos os lugares que visitei pelo país.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
A França virou minha segunda casa. Foram tantas experiências boas por lá, eu realmente me sentia em casa e acredito que o sentimento seja o mesmo quando voltar para lá em alguma viagem, seja com minha família ou amigos. Tenho alguns conhecidos em Paris, mas gostaria de ter um vínculo maior. Fica a vontade de voltar nas férias mesmo ou, quem sabe, fazer um mestrado e até trabalhar por lá.

Qual a sua atividade profissional?
Trabalho em uma agência multinacional de relações públicas.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Eu definitivamente amadureci. Isso de estar sozinha num país diferente, onde você é o dono da sua própria vida, e de ter que se adequar aos costumes do lugar muda a gente. Sem contar que tive uma completa imersão na cultura francesa e, inclusive, por meio das aulas da universidade, pude aprender sobre determinados aspectos bem interessantes do mercado de comunicação na França que já me ajudaram bastante tanto na conclusão da faculdade como em algumas tarefas no trabalho.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Aprendizado, liberdade e amizade.

Três palavras para resumir o país?
Cultura, beleza e história.

publié le 29/04/2016

haut de la page