Meus estudos na França - julho 2015

Uma vez por mês, apresentamos um breve encontro com brasileiros que estudaram na França, vindos do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e do Espirito Santo. Algumas perguntas, sempre as mesmas, nos permitem saber mais da experiência de quem saiu daqui para ir estudar nas universidades francesas.

Maria Cecília Barros: "Estudar na França significou amadurecimento, amizade e gratidão!"

JPEG

Maria Cecília tem 27 anos, ela estudou engenharia, por dois anos, na École Centrale de Nantes.

Cidade de origem: São Paulo, morando no Rio de Janeiro

Cidade de estudos na França: Nantes

Por que você escolheu estudar na França?
Logo que entrei na universidade, no Brasil, comecei a pesquisar as possibilidades de intercâmbio no exterior. O Programa de Duplo Diploma na França foi o que mais me interessou, por três razões principais. Primeiramente, comecei a estudar francês com 12 anos porque gostava muito da história e cultura do país e tinha vontade de morar lá. Além disso, acreditava que o diploma de graduação de uma instituição francesa expandiria minhas fronteiras profissionais, principalmente para trabalhar na Europa. Finalmente, a possibilidade de obter a bolsa Eiffel permitiria cobrir completamente os custos de viver no exterior.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
Foi uma impressão de acolhimento. Cheguei numa cidade pequena, Vichy, onde estudaria francês por dois meses. Fui morar com uma senhora muito atenciosa, o que facilitou bastante a adaptação. A região da Auvergne, com seus pequenos vilarejos e vulcões, era encantadora!

Qual a sua maior lembrança da França?
É difícil escolher uma lembrança, então vou optar pela mais recente. No final da minha estadia na França morei na cidade de Pau, onde fiz um estágio. Eu ia de bicicleta para o trabalho todos os dias com um amigo muito divertido! Durante o trajeto, em meio a boas risadas, podíamos observar os Pirineus ao fundo. Aquilo parecia uma pintura e é uma imagem da qual me lembro frequentemente.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Hoje meu vínculo com a França se faz através de alguns amigos com os quais mantive contato e da minha vontade de voltar, pelo menos nas férias.

Qual a sua atividade profissional?
Sou engenheira em uma empresa de petróleo.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Quando cheguei à França eu era muito estudiosa e não entendia porque meus colegas se contentavam em ser “apenas” bons alunos, pois eu queria estar entre os melhores. Depois fui entendendo que na realidade eles eram ambiciosos porque queriam desenvolver os diversos aspectos da vida de forma equilibrada. Esporte, lazer, cultura e engajamento em pelo menos uma associação estudantil, são atividades presentes na vida da maioria dos estudantes franceses. Hoje, valorizo mais o equilíbrio entre múltiplos interesses do que a excelência em poucas atividades.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Amadurecimento, amizade e gratidão.

Três palavras para resumir o país?
Respeito, social e bem estar.

Eduardo da Mata Fonseca: "Estudar na França significou intensidade, aprendizado, amizade!"

JPEG

Eduardo tem 24 anos, ele estudou letras e literatura francesa na Université Lumière Lyon 2.

Cidade de origem: Rio Bonito (RJ)

Cidade de estudos na França: Lyon

Por que você escolheu estudar na França?
Primeiramente, porque sempre foi o meu sonho estudar em outro país. Além disso, a França sempre me despertou grande interesse, principalmente pelas questões culturais e, sobretudo, educacionais. Sabia que uma formação na França seria importante para minha carreira.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
Não sei se foi pelo fato de ter trabalhado como estagiário no Lycée Molière, no Rio de Janeiro, mas quando cheguei à França me senti muito à vontade com as pessoas e com a língua. Tive a impressão de estar num filme cuja estória vinha de um livro que eu havia lido várias vezes, no entanto o filme me surpreendeu pelo fato de ser melhor do que o livro!

Qual a sua maior lembrança da França?
A minha maior lembrança foi um prato de “endives au jambon” feita por uma pessoa muito especial, que quis me fazer um agrado. As endívias estavam muito amargas, mas o carinho da pessoa, o amor empenhado para elaborar o prato me traduz bem a hospitalidade francesa.

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Além da língua, uma vez que sou professor de francês aqui no Rio, o meu maior vínculo com a França são os amigos verdadeiros que lá deixei. Posso dizer uma família para mim!

Qual a sua atividade profissional?
Sou professor de língua estrangeira, francês.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Foi através dessa experiência que aprendi a respeitar melhor as diferenças, a ser mais cordial no meu dia-a-dia, aprendi a ser mais humano. No que se refere aos meus estudos, a experiência na França foi crucial para que eu me tornasse o profissional que sou hoje.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Intensidade, aprendizado, amizade.

Três palavras para resumir o país?
Beleza, cordialidade, respeito.

Antonio Ferreira: "Estudar na França significou aprendizado, diversão, novidades!"

JPEG

Eduardo tem 23 anos, ele estudou história de arte e cultura francesa na Université Paris-Sorbonne (Paris IV) por alguns meses em 2013.

Cidade de origem: Rio de Janeiro

Cidade de estudos na França: Paris

Por que você escolheu estudar na França?
A França é um dos maiores pólos intelectuais e culturais do mundo. É o epicentro de vários eventos históricos, culturais e políticos que vem impactando imensamente o mundo todo há séculos. A Revolução Francesa, os impressionistas, as polêmicas atuais com imigração, a "Françafrique", a Chanson Française, os quadrinhos como Le Chat du rabbin são alguns de muitos exemplos.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
“Essa experiência vai ser ótima”.

Qual a sua maior lembrança da França?
São tantas, que fica difícil escolher a maior. Mas um dia, eu e alguns amigos fomos de carro visitar alguns châteaux no vale do Loire e, na volta, ficamos presos em um engarrafamento por causa de um protesto. Cansado e já meio irritado, olhei pela janela do carro e vi um casal de senhorinhas. Uma estava empurrando a outra em uma cadeira de rodas, e a que estava sentada carregava um cartaz escrito marriage pour tous. Difícil não se solidarizar!

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Mesmo após alguns anos, ainda mantenho contato com alguns amigos que fiz lá até hoje. Inclusive, uma ex-tutora de francês que tive na Sorbonne se mudou para o Brasil para fazer mestrado aqui no Rio.

Qual a sua atividade profissional?
Sou advogado.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Esse tipo de experiência ajuda muito o desenvolvimento pessoal. Dá um senso de independência e de controle. E me deu muito mais segurança no francês.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Aprendizado. Diversão. Novidades.

Três palavras para resumir o país?
Cultura. Diversidade. História.

Camila Castro de Alencar: "Estudar na França significou liberdade, amizade e crescimento!"

JPEG

Camila tem 23 anos, ela estudou política e direito durante 1 ano na Université Pierre-Mendès-France.

Cidade de origem: Recife, morando no Rio de Janeiro

Cidade de estudos na França: Grenoble

Por que você escolheu estudar na França?
Eu sempre fui apaixonada por viagens e planejava fazer intercâmbio desde o início da faculdade. Muitos familiares conheciam a França e minha irmã e dois primos já tinham estudado lá, então a escolha foi bem natural. A possibilidade de aprender outro idioma, a qualidade das faculdades de ciência política e a cultura do país me atraíram muito, assim como o caráter internacional da maioria das cidades universitárias.

Qual foi sua primeira impressão ao chegar à França?
No início, a arquitetura e a beleza natural encantam. Mas acho que o que mais me marcou quando cheguei foi o estilo de vida, de poder fazer tudo a pé, sem me preocupar com a violência, poder me divertir sem precisar gastar muito... É uma realidade muito distinta da que eu vivia em Recife e eu me identifiquei de cara.

Qual a sua maior lembrança da França?
Eu morava na região dos Alpes, então dava para ver as montanhas de qualquer janela. A natureza daquela parte da França é especialmente linda, com lagos e rios alimentados pela neve das montanhas!

Hoje, qual o seu vínculo com a França?
Eu mantenho contato frequente com a maioria dos amigos que fiz na França e estou considerando voltar para fazer um mestrado.

Qual a sua atividade profissional?
Eu estou me formando em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco e trabalho em um projeto social de educação cívica.

No quê sua estadia na França mudou sua vida?
Meu intercâmbio na França foi um período de muita diversão e viagens, mas também de muito desenvolvimento pessoal. Ter vivido essa experiência me deu confiança para poder ter outras experiências internacionais e ser mais ambiciosa profissionalmente.

Três palavras para resumir sua experiência lá?
Liberdade, amizade e crescimento.

Três palavras para resumir o país?
Cultura, diversidade e joie de vivre.

publié le 29/07/2015

haut de la page