Segurança nos JO 2016: intercambio entre o GIGN e o BOPE

Integrantes do Grupo de Intervenção da Policia (Gendarmerie Nationale) Francesa foram recebidos durante uma semana no QG do BOPE no Rio de Janeiro. O objetivo do encontro foi o intercambio de táticas entre os respectivos batalhões, tendo em vista a preparação dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio.

Thierry Guiguet-Doron, adido policial junto à Embaixada da França no Brasil, declarou à AFP (Agence France Presse): "Tudo correu bem durante a Copa do Mundo em 2014, mas a ameaça (de um ataque terrorista) nos JO é maior porque o numero de países envolvidos é maior. (...) Nós contamos a eles sobre o caso do Charlie Hebdo e sobre o perigo dos camicases. Aqui, estão acostumados à guerrilha urbana, à alta criminalidade, mas não há terrorismo".

O Bope tem 550 policiais (entre os quais 14 mulheres) e 90% das missões acontecem em favelas dominadas pelo trafico de drogas. Uma realidade bem diferente daquela que os agentes do GIGN conhecem. "O BOPE nos apresentou técnicas de entrada em favelas em que há um grande numero de moradores e onde o risco da população ser atingida é grande.", explicou o chefe do esquadrão do GIGN que não quis se identificar. "Não temos nada a ensinar para eles. Apenas trouxemos alguns elementos novos, sobre a liberação de reféns e o terrorismo", disse ele à AFP.

Dois representantes do GIGN acompanharam uma operação de treinamento com oito homens do BOPE pelas ruas estreitas da comunidade Tavares Bastos e assistiram aos treinos do Batalhão de Ações com Cães.

JPEG

JPEG

JPEG

JPEG

JPEG

publié le 24/07/2015

haut de la page