Yvonne Bezerra de Mello é condecorada no Rio

Na segunda-feira, dia 8 de setembro, Yvonne Bezerra de Mello foi condecorada com a legião de honra no grau de cavalheiro, por sua atuação no âmbito da educação através da criação do Projeto Uerê.
Doutora em filosofia e linguística pela Sorbonne, Yvonne fundou a metodologia Uerê, que permite que crianças com limitações cognitivas retomem o caminho da aprendizagem. O projeto Uerê é também uma escola, situada na comunidade da Maré e já recebeu mais de 3 mil crianças com muitos voluntários franceses na equipe de 22 profissionais contratados por Yvonne.

Durante a cerimônia de condecoração, o Cônsul Geral, Brice Roquefeuil, fez um discurso em homenagem à Yvonne:

Condecoração na ordem nacional da Legião de Honra no grau de “Chevalier”

Senhoras e Senhores, autoridades representantes do Estado
Senhoras e Senhores representantes de Associações
Senhoras e Senhores,
Caros Amigos,
A República Francesa presta hoje uma homenagem solene à Sra. Yvonne Bezerra de Melo ao lhe outorgar as insígnias da mais alta distinção nacional.

Muito querida Yvonne, nesta noite, tenho a honra de saudar em você a mulher de convicção, autêntica militante da democracia e dos valores republicanos da educação para todos.
Nascida em uma família carioca de origem francesa, foi sua mãe sozinha que a educou no Leme, ao lado do seu irmão. Pioneira e engajada, ela repetia que a única maneira de sobreviver no Brasil era através da educação. Uma verdade que se tornaria um dogma em sua vida. Desde os seus 13 anos, já acompanhava sua mãe na Fundação Romão Duarte, um abrigo para menores, onde realizou seu primeiro trabalho beneficente. Aos 17 anos, ao participar do Projeto Rondon, no Ceará, você compreendeu que a miséria dessas crianças se tornaria o alvo do seu combate.

Em 1966, você viajou para Paris a fim de preparar seu primeiro doutorado em filologia e linguística. Nos bancos da Sorbonne, você sentiu, Yvonne, o choque do encontro com o pensamento filosófico e os valores humanistas franceses que serviriam de fundamento para o seu trabalho. Ao acompanhar seus amigos emigrados nos subúrbios da capital, você se interessou pela primeira vez por essas crianças excluídas da aprendizagem.

De volta ao Brasil, casada com um diplomata sueco, que se tornaria pai de seus três filhos, Andrea, Gunnar e Isabel, e casada depois com Álvaro Bezerra de Mello, presidente do Grupo Othon, você conseguiu a proeza de exercer o seu papel de esposa e mãe amorosa, ao mesmo tempo em que se dedicava diariamente às crianças de rua. Ligada indefectivelmente à França, você trabalha igualmente na Associação Solidariedade França-Brasil e participou da criação do nosso precioso Liceu Molière. Yvonne, de onde você retira toda esta energia ? Nas palavras dos que lhe são próximos, os qualificativos « chovem » : de uma generosidade absurda, « durona », otimista, íntegra, um dragão de carinho, corajosa e forte, brilhante, franca e sem concessões… Sem dúvida, é preciso ser tudo isto para nunca vacilar. Na Candelária, nesse trágico dia de julho de 1993, você foi a primeira a correr para junto das jovens vítimas e prestar assistência aos sobreviventes do massacre.

Diante desses jovens das ruas do centro do Rio, do subúrbio parisiense ou da África, uma pergunta a persegue: Por que essas crianças de origens e percursos variados encontram os mesmos problemas? Que bloqueios cognitivos atormentam os seus jovens cérebros ?
Depois de décadas de viagens e de estudos sobre o estímulo das atividades neurológicas, desbloqueio dos traumas nas criança e a perda da memória recente, após dois outros doutorados e um mestrado em políticas públicas, você chegou à publicação e à implementação da metodologia Uêre Mello.

Em 2009, essa metodologia passou a ser inserida nas políticas públicas da cidade do Rio de Janeiro, onde já permitiu formar cerca de 6 000 professores. É também aplicada em escolas de Luanda em Angola.

Paralelamente a essa ação, o Projeto Uêre surge na Maré, uma das maiores favelas do Rio. Um sonho, o « de uma escola sem porta nem janela » como você gosta de qualificá-lo. 450 crianças de 3 a 18 anos, em situação de extrema pobreza, de exclusão social, traumatizadas pela violência e com graves dificuldades de aprendizagem frequentam as salas de aula desse estabelecimento. Acompanhado por uma equipe de 22 empregados e vivendo exclusivamente da generosidade dos doadores, o projeto Uêre pretende integrar estas crianças na sociedade, conceder-lhe referências, valores e oferecer-lhes a auto-estima essencial a toda construção individual.
Hoje, sua mãe, a « Nonna » como você a chama carinhosamente deve, do alto dos seus 100 anos, se sentir orgulhosa. Como ela deve estar orgulhosa desta educação que você ofereceu como um passaporte para o futuro a perto de 3 000 crianças. Porque, como ela, você está convencida de que a educação para todos é a solução e a esperança. Porque seu trabalho é indispensável a nosso espaço público, porque você volta para nossa sociedade um olhar perspicaz, sem concessões e engajado, a República Francesa, cujos valores você defende, presta-lhe hoje esta homenagem.

Cara Yvonne Bezerra de Mello, em nome do Presidente da República, e em virtude dos poderes que me são concedidos, nós a tornamos Chevalier de la Légion d’Honneur.
JPEG
O Cônsul Geral, Brice Roquefeuil e o ex-adido cultural, Romaric Sulger Buel parabenizam Yvonne Bezerra de Mello.

JPEG
Ricardo, um aluno do projeto Uerê que foi homenagear Yvonne, ao lado da jornalista Marie Naudascher (veja A violência vista pelas crianças da Maré : reportagem de dois journalistas franceses) e Anne-Constance Desprezt, professor de música, voluntário no projeto Uerê
JPEG
JPEG
JPEG
JPEG

Um pouco antes da cerimônia, uma delegação de senadores, do grupo Amitié France-Brésil, visitou o Projeto Uerê para conhecer o trabalho realizado pela equipe educativa.

Leia também sobre o Projeto Uerê :
- As crianças da Maré e a amizade com a França.
- La violence vue par les enfants de Uerê : l’enquête de deux journalistes français.

publié le 07/10/2014

haut de la page